Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘dinheiro’

Toda a glória de viver
das gentes é ter dinheiro
e quem muito quiser ter
cumpre-lhe de ser primeiro
o mais ruim que puder.
(Gil Vicente)

(da esquerda para a direita, clicar)
[Pedro_Santana_Lopes; Bosco_Mota_Amaral; Manuel_Dias_Loureiro; Miguel_Relvas; José Juís Arnaut; Jorge_Moreira_da_Silva]

ROUBAM-NOS A PAZ E O PÃO

Os cleptocratas não sujam as patas, são ratoneiros matreiros, descendentes directos do embuste e da perfídia. Têm, como modernamente se denomina, uma actuação “abrangente“; apresentam-se como pessoas sensatas, impolutas e pacatas.

Movimentam-se na “Bolsa” dos outros, claro, com apetência para as boas “Acções“, as más relegam-nas para parceiros terceiros.

Frequentam a alta sociedade – conceito virados do avesso – expelem promessas que rendem juros deixando os promissário em apuros.

Têm ao seu serviço operacionais profissionais, não actuam directamente, comandam do escritório “inteligente” que lhes reforça a astúcia impenitente.

Os cleptocratas são a nata do autocrata, não vivem em autogestão, têm como Deus e patrão o cifrão.

Seguem sabiamente o rasto do dinheiro com o olfacto apurado de um perdigueiro e seguram-no como o melhor dos cães de fila.

Com esta cáfila não se refila.

Mais difíceis de eliminar que à nojenta barata, possuem sensores de grande acuidade, o que lhes permite identificarem o Decreto, a Lei ou o Regulamento que sirva os seus desígnios.

Não deixe um negócio tão sólido fugir-lhe das mãos, um dos mais atractivos mercados cimenteiros da Europa, cujos resultados líquidos serão de 14 milhões de contos em 94 e de 15 milhões em 95, vendida abaixo da média dos mercados: a CIMPOR“. (Desculpem mas este paragrafo é de um velho artigo relacionado com outros ladrões do mesmo bando).

Os cleptocratas agem dentro da legalidade democrática construída à sua medida. Manobram com  os baixos salários e cortes de pensões, sugam onde faltam cêntimos para engrossar milhões.

Movimentam-se na área neoliberal, não assaltam bancos nem actuam por “esticão“, teleguiados sempre pelo cifrão, compra consciências de ocasião. Conhecem o preço de uma ilusão e explora o filão!

Açambarcam o trigo, controlam o pão.

Não os conhecemos pessoalmente nem tampouco com eles nos cruzamos, têm seguranças, deslocam-se em bólides ou em aviões privados, e como bons cleptocratas que se prezam vão à missa, rezam, confessam-se, compram as indulgências no paraíso em que vivem sem receio de mais tarde entrar no purgatório.

Cid Simões

Anúncios

Read Full Post »

Sentado, bandeira nacional e da U.E. dando o aval indispensável ao discurso, o senhor ministro, através da TV, banhou-nos de justiça: A partir de agora (porquê só agora?), acabava-se a lavagem de dinheiro. Tal e qual! Não eram renovados mais alvarás para tão higiénica actividade.

Alertou ainda, haver somas exorbitantes que estavam a ser lavadas em bancos, seitas, casinos e noutras lavandarias de igual respeitabilidade.

Deixou um oportuno alerta: Era de desconfiar quando alguém aparecia com muito dinheiro.

Tudo novidades! Não creio mesmo que alguma vez se tivesse ousado pensar que não era lícito o dinheiro quando surge às golfadas, ainda manchado de sangue.

Tal notícia levou a que no bairro, para não levantar suspeitas, ninguém ousasse pagar com notas de cinco euros, batatas só compravam aos meios quilos e a manteiga aos pacotinhos de 125g. Os vizinhos vigiavam-se desconfiados. A dona Gertrudes nunca mais vestiu o casaco de caraculo (100% polyester), e o Mário da mercearia nem estreou o chinó.

Para chatices, diziam, já bastava as que tinham, não viesse a bófia pedir-lhes contas e saber se tinham ou não o dinheiro para lavar.

Uma outra personagem, o senhor Júlio, ainda não se refizera do choque. “Lavar” dinheiro!?… Com o prato da sopa a meio caminho da notícia, perdera o apetite. Lavar dinheiro!…

Ele e a sua Joaquina que não haviam feito outra coisa em toda a sua vida: Lavar. Ele lavou barcos, lavou ruas, lavou carros, lavou tudo. Tudo o que encontrou sujo lavou, desengordurou, poliu. E a sua companheira, fez barrela, branqueou, esfregou casas, escadas, tudo. Tudo o que estava sujo, lavou. E o que é que têm hoje? Uma reforma suja, para não lhe chamar nojenta.

Mas essa de lavar dinheiro até podia servir de biscate, pensava o senhor Júlio que abandonou a sopa e foi até ao banco do jardim procurar alguém que o elucidasse sobre tão bizarra notícia.

E ia cogitando: “Isto deve estar muito mau! Os ricos a lavar… Eles que por onde passam só fazem imundice.”

E continuava sonhador: “O ministro desconfia dos bancos e das seitas é natural, ninguém sabe como conseguiram tanto dinheiro em tão pouco tempo; mas o Júlio!… O Júlio e a Joaquina todos conhecem cá no bairro. Foram sempre pessoas sérias. O senhor ministro pode confiar mais num dedo do Júlio do que em todos os banqueiros. Todos.”

E já idealizava uma lavandaria moderna, subsidiada pela U.E. máquinas de lavar, secar, passar… Um brinquinho!

Pobre senhor Júlio, de consciência asseada, que só soube amealhar miséria durante toda a sua vida. Não! Ele nunca conseguirá compreender, na sua bela simplicidade, que a sujidade não está no dinheiro, mas nas mãos de quem dele se apoderou.

E que esse dinheiro quando muda de bolso não troca de fato, ou se muda de farpela não altera o seu objectivo: Continuar do mesmo modo a espalhar o terror e a sordidez na bulimia sem limites do mais e mais, despedindo, fechando fábricas e entrando no sub mundo da especulação.

Tampouco se apercebe que os donos dos bancos são os banqueiros, os concessionários dos casinos, os grandes magnates, banqueiros também alguns deles, bondosas criaturas que acolhem no seu seio, digo, sua teta, todos os que estejam à venda, melhor ainda se estão em saldo, projectando-os na vida política como seus servidores.

E que os senhores do dinheiro possuidores dessas respeitáveis instituições de caridade, são os “jet-Set” que se pavoneiam pelas colunas sociais de mistura com ministros, proprietários sinistros e outros benquistos do poder, num mundo que o senhor Júlio nem imagina que exista.

Milhões e milhões de euros, lavados ou por lavar, continuam a entrar em circulação como de trocos se tratasse, sem que ninguém dê por eles. Ninguém?…

Não será nas grandes e galopantes fortunas que os vamos encontrar.

Claro que não!

Cid Simões

Read Full Post »

  • Os mais de 35 mil milhões de euros a pagar de juros pelo empréstimo da troika correspondem à estimativa de toda a receita fiscal para 2012; daria para pagar todos os salários de trabalhadores da administração pública, seja central, local ou regional durante 4 anos.

  • Os 12 mil milhões de euros disponibilizados à banca, para que não tenham os accionistas – eles que receberam os lucros – que pôr dos seus capitais, são mais do que todas as pensões pagas pela segurança social aos reformados portugueses.

  • Os 8 mil milhões de euros que, entre pagamentos e garantias, já estão empenhados pelo Estado, directamente ou através da Caixa Geral de Depósitos, no BPN. Esses 8 mil milhões de euros chegariam para pagar durante 4 anos a comparticipação a 100% – isto é, a gratuitidade – de todos os medicamentos receitados em ambulatório em todos os hospitais e centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

  • Os 450 milhões de euros já pagos no processo do BPP são aproximadamente a mesma verba retirada desde 2010, anualmente no abono de família e no rendimento social de inserção, em conjunto.

  • O mesmo governo que corta nas verbas para o Serviço Nacional de Saúde, entrega 320 milhões de euros em 2012 às parcerias público-privadas na saúde; é um valor quase 14 vezes superior a todo o investimento público do Ministério da Saúde em 2012, que é só de uns míseros 23 milhões de euros.

Na verdade são muitos os milhões que por aí andam a encher os bolsos dos mais ricos…

António Vilarigues

Read Full Post »

Não pode ser ministro alguém que nos manda apertar o cinto e ao mesmo tempo baixar as calças.

Têm aparecido falsos padres que no entanto baptizam e dão a extrema-unção; falsos médicos que tal como os verdadeiros curam ou matam consoante o aleijão; falsos advogados que libertam ou mandam o cliente para a prisão e muita moeda falsa que vai servindo consoante a ocasião. Surgem às paletes falsários de todas as estirpes, gente que se faz passar pelo que não é mas que até parece ser.

Este manguelas que nos aparece assim à má fila, encomenda mal amanhada que não se sabe bem para o que serve nem ao que vem, isso a que chamam ministro, conclui-se que não veio por bem.

As medidas que usa quantificam unicamente o veneno a aplicar à vitima escolhida e os cortes são próprios de magarefe. Até hoje não se conhece um único fruto do Pereira. Esta pereira só nos dá castanha.

Urge prevenir a PJ para que verifique se esta espécie de romancista e articulista não será um falso ministro, até porque “a política não estava nos seus planos”.

Segundo o próprio, logo que chegou “Nos primeiros dias passava a vida a apagar luzes. Não havia consciência nenhuma do dinheiro que se gasta desnecessariamente em ar condicionado, em iluminação… comecei a instaurar um espírito e sentido de rigor. Temos que nos comportar como se fosse a nossa casa, sem maus gastos“, assegura.

É urgente saber se não teriam trazido de Vancouver o amanuense do estabelecimento onde hipoteticamente tivesse existido um candidato a ministro.

Entretanto, e como medida de precaução, é melhor interná-lo, o homem pode cometer qualquer loucura que lhe sugiram e temos que ter em conta que está rodeado de malfeitores, gente alienada e desprovida de sentimentos.

Eu sou
o mais boquiaberto
dos ministros.

Estas finanças
doem
como um calo.

Estas finanças
devem ser um galo
cantando o ouro
que urinam
as crianças.

Estas finanças
devem ser um falo
ubérrimo Brasil
de esquálidas
donzelas.

[Armando da Silva Carvalho, in Ovos d’oiro, 1969]

Cid Simões

Read Full Post »

«Os empregados da fábrica “X” foram assistidos pelos médicos ao tomarem conhecimento que tinham sido despedidos

rodapé na RTP1

As estatísticas, quando honestas, são um precioso auxílio para aferirmos a extensão do clima social, mas a sua glacial expressão nunca reflecte a profundidade do que pretende demonstrar.

O desemprego aumenta, o poder de compra diminui, as responsabilidades fixas abocanham a quase totalidade dos salários, quando existem e, é na alimentação que as restrições mais se fazem sentir. (Mais de metade das crianças do ensino básico de Lisboa sofrem de privações a nível alimentar. “Instituto de Apoio à Criança”).

Não é através dos comentadores de serviço, perorando sobre macroeconomia, que nos podemos aperceber da angústia sofrida pelos que protagonizam os dramas do dia a dia; é nos pequenos gestos que nos fazem fremir e transbordar de emoção que se vive e sente o que os números calam e os analistas escondem.

O peixeiro há já bastantes anos que estaciona a carrinha no mesmo local e nos mesmos dias da semana, a freguesia esperava-o e, ao arribar, o senhor Fernando, em grande azáfama, fazia os preparativos para iniciar o negócio.

Para evitar atropelos, os fregueses que iam chegando certificavam-se de quem era o último, aguardavam a sua vez, nalguns casos esperando uma boa meia hora.

O peixe, tal como agora, era fresco, os preços razoáveis, em relação a outros comerciantes, e a decisão dos clientes rápida.

À tecnocracia do discurso oficial ou às estatísticas dos seus departamentos, não podemos exigir que reparem na expressão de um olhar, espelho que reflecte todas as nossas emoções, da mais esfuziante alegria ao desgosto mais pungente. Os números são cegos, os governantes vesgos.

O senhor Fernando continua a chegar com a regularidade costumada, mas já não é esperado; calmamente abre as caixas do pescado, coloca os preços, olha em redor e aguarda os clientes. Cheguei alguns passos atrás de uma senhora, ficando o peixeiro a aguardar que se decidisse; atento, reparei que fixava, não a mercadoria mas os preços; semblante carregado, vacilante, assim se quedou durante algum tempo.

Ao reparar em mim, fez-me sinal de que me poderia servir, lembrando-lhe eu que havia chegado depois e que aguardaria a minha vez.

Eu sei, disse-me, mas faça favor. Estou a pensar.

Continuou a fixar os preços e pensava… relacionava o dinheiro de que dispunha e as bocas que lhe exigiam o sagrado sustento. Deduzi, e não me devia afastar muito da verdade. As estatísticas não revelam a angústia, nem mostram os pais que, à hora da refeição, se dão por satisfeitos para que os filhos tenham um pouco mais de sustento.

Observei-a melhor: olhava mas não via; dir-se-ia hipnotizada, bloqueada.

Num desabafo quase sussurro, um lamento, entendi: está tudo tão caro!…

Sentia-se que havia perdido a capacidade de se indignar, olhou em redor como que a pedir ajuda e, sem nada dizer, retirou-se cabisbaixa, caminhando, lentamente, sem aparente destino.

Olhámo-nos eu e o peixeiro, tentando encontrar palavras ou coragem para tecer qualquer comentário.

– Por este caminho não sei onde vamos parar! Exclamou num tom magoado.

– Ainda agora a procissão vai no adro, retorqui.

Subitamente, fomos sacudidos pela travagem brusca de um carro. O motorista blasfemava contra a senhora que ainda há pouco nos deixara e que, sem alterar o passo, continuou o seu caminho.

O caminho do futuro radioso que nos têm prometido e no qual os ingénuos ou tolos têm acreditado.

E ainda agora a procissão vai no adro!

Cid Simões

Read Full Post »

Com todo o ar mais seráfico possível, os mais variados opinion makers portugueses dizem em uníssono que a populaça em geral vive acima das suas possibilidades.
Na verdade, as possibilidades dos portugueses, em termos médios, sempre viveram a possibilidade de salários baixos como comprovam alguns índices económicos, que para comprarem a merda de um frigorífico ou de um fogão, têm de recorrer ao crédito.
Não falando das filas escondidas nas traseiras das santas casas de misericórdia, com sacos do pingo doce ou do continente, na esperança de serem preenchidos, lembrando outrora, que foram atirados para a merda por filhas da puta que esquizofrenéticamente tentam “o tudo por tudo” para agradar hierarquias com números competitivos, e que mesmo assim encerram unidades de negócio, comentando entre si, que há gente parva e que acredita no Pai Natal.
A realidade da sopa dos pobres na almirante reis, quando ao mesmo tempo os funcionários do BdP, dos seus gabinetes vislumbram filas cada vez mais longas, num país que já vendeu em pedaços a sua soberania.
Mas que tamanha vergonha!

Há coisas incríveis e que se tornam incrédulas perante toda a passividade de um povo anestesiado, sem falar do rol de queixinhas, como muitos gostam de apregoar.
Uma das queixinhas, que pela mentalidade dominante não devem ser levantadas é a questão do PPR de Miguel Cadilhe que impôs para presidir ao BPN, quando todos já sabiam, que o referido banco estava na completa falência, o ladrão impôs um PPR de dez milhões euros. O sacana, considerado pelo establishment como pessoa séria e de currículo académico ímpar, nem esteve lá meio ano, mas ficou com a grana. Mas que granda filha da puta do caralho, sem falar da parte ética e moral da questão e não obstante da informação de todo um quadro negro da instituição. Isto apenas é um exemplo, uma parte de muitas …!
Que hoje, idosos com muitas dificuldades para pagar os seus remédios na farmácia, pagam a sua injusta quota-parte.
O BPN, foi um regabofe de tal forma escabroso, que todos nós pagamos, mesmo que muitos de nós não nos apercebamos. Um regabofe, onde se passearam, principalmente, ex-ministros da maioria de Cavaco.
As leis têm de ser cumpridas, a experiência histórica diz, que mais tarde ou mais cedo e de uma forma ou de outra a justiça impera, na maior parte das vezes, na sua forma mais cega.

Por outro lado, o socialismo maçónico, conduzido pelo PS, agravou ainda mais a desgraça deste país. De facto a entrega de Portugal a estes dois partidos políticos, PS e PSD, revelou-se um desastre total, com os resultados à vista de todos. Verrascas do pior, numa linguagem mais contida, até comeram meninos em festas, os verrascas.

Um e outro, desmantelarem a parca indústria portuguesa, desde as fábricas de sabões, às da borracha. Quem conheceu o Poço do Bispo em Lisboa de outrora, sabe do que se fala.
Um país com condições climatéricas ideais para a produção de cereais, destruíram essa capacidade produtiva, para agora comprarem através de crédito externo, as necessidades cerealíficas da população.
Por falar em socialismo, mas que merda é essa da fundação Mário Soares? O que é que apresenta, o que é que produz, para justificar as subvenções que recebe?
Porque é que os media tanto defendem Mário Soares, tal como a classe política em geral? Quando na verdade, foi um dos primeiros obreiros da desgraça nacional, seguido por Cavaco e depois por avulsos do PS e do PSD.
Porque chegamos a este ponto? Não há acasos nem ocasos, mas sim, responsáveis que nos levaram a este ponto e que ainda estão a tempo de ser responsabilizados, não só politicamente, como criminalmente.

Com tudo isto, vêm agora os actuais seráficos ministros da actualidade, donde se destaca o da economia. Álvaro Santos Pereira, que deve ser uma pessoa muito interessante, que veio dos meios académicos do Canada e que até escreveu um livro sobre Portugal e cuja cientificidade é por demais reconhecida, falta-lhe um pequeno pormenor que não de somenos importância, a aplicação prática das teorias ao dia-a-dia real das pessoas. É um teórico, onde lhe falta perceber que o Canada não é Portugal. A empresa, o pensionista e o assalariado canadiense é conjucturalmente diferente do português.

Álvaro, Gaspar e Coelho, o ultra-liberalismo do qual são adeptos faliu, basta ver na televisão, e depois, entre a teoria das salas de universidade e a realidade do dia-a-dia vai uma grande diferença. Meus caros, matar a economia e depois esperar que ela cresça, só com drogas que ainda não foram inventadas!

Publicado em simultâneo no Extrafísico.

Read Full Post »

Legendas em português – activar botão “CLOSED CAPTION (CC)”

Publicado em simultâneo no Extrafísico.

Read Full Post »

Older Posts »