Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘eleições’

«A recuperação do PCP é, aliás, um dos aspectos a analisar de forma atenta nestas eleições. Por que razão será que, ao fim de quase um quarto de século após a queda do Muro de Berlim, um partido que se afirma marxista-leninista cresce em câmaras, percentagem e número de votos à custa do voto jovem?»

São José Almeida (Público 5/10/2013)

Não encontram explicação. É natural. Já anunciaram as exéquias vezes sem conta, houve até quem afirmasse ter visto o féretro a caminho do crematório, e, no entanto, para espanto e terror de alguns, o PCP aparece-lhes vigoroso, firme e combativo. Gente pia, em grande parte, só poderá encontrar uma explicação, embora lhes custe admitir: ressurreição! E face a tão divino fenómeno celebrado por todos os crentes, só lhes resta ajoelharem-se perante o milagre e proclamarem em uníssono: Aleluia! Mas não. Desorientados ocultam o ressurgido, os mídia ignoram-no, fazem crer que está morto e nem sequer deixou rastro. E, para seu espanto, foi o único partido que subiu em votos, câmaras, eleitos, mandatos, percentagens e maiorias absolutas. Vade retro, Satanás! Que no Algarve, além de conquistar um município elegeu vereadores em quase todas as Câmaras, em algumas pela primeira vez. Hereges… o demónio está convosco! No Alentejo o “defunto” conquista capitais de distrito e a simbólica Grândola, além de outros municípios de relevo. O Alentejo é dos latifundiários acarinhados pelo PS e outros salafrários. Pois é! … E no distrito de Setúbal onde o PCP só lá deixou ao PS duas câmaras para amostra e os frustrados cangalheiros continuam a ignoram o feito. Para eles, por exemplo, Almada é como se não existisse com a sua maioria absoluta. T’arenego!  E Loures no distrito de Lisboa? E mais para cima Peniche, Alpiarça, Constância…

A CDU/PCP encontra-se de boa saúde e recomenda-se.

Tenham paciência, não desesperem.

A luta vai continuar

O jovem Bernardino Soares, eleito para a presidência da Câmara Municipal de Loures, é substituído no cargo de Presidente da Bancada Parlamentar do PCP na Assembleia da República pelo jovem vice-presidente João Oliveira, que por seu turno é substituído pela jovem deputada Paula Santos. A saída de Bernardino Soares chama ao grupo parlamentar do PCP o jovem David Costa. Olhando para a globalidade das bancadas do Parlamento, a representação do PCP é a mais jovem competente, combativa e com um indelével cunho de classe.

Cid Simões

Anúncios

Read Full Post »

     Analisemos os casos dos «independentes» de maior relevância:

É «independente» o Paulo Vistas, de Oeiras, sucessor do mesmo Isaltino que foi Presidente de Câmara eleito pelo PSD de 1985 a 2005?

É «independente» José Guilherme Aguiar, em Gaia, público e notório militante do PSD até outro dia e escolha directa da concelhia do PSD-Gaia, contra a vontade de Passos Coelho, que impôs Carlos Abreu Amorim?

É «independente» de quê Guilherme Pinto, Presidente da Câmara do PS em Matosinhos até este ano?

É «independente» a que título Rui Moreira, notoríssima figura da direita portuense, sucessor indigitado de Rui Rio, Presidente da SRU Porto Vivo nomeado por aquele Presidente de Câmara?

É «independente» desde quando Fernando Paulo, o candidato a Gondomar cuja lista foi barrada pelos tribunais, delfim de Valentim Loureiro, outro histórico do PSD?

Fátima Felgueiras tornou-se «independente» do PS por entregar o cartão?

Helena Roseta, foi «independente» na meia dúzia de dias que mediaram entre a sua candidatura nas intercalares de Lisboa em 2007 e a adesão ao executivo de António Costa?

E Paulo Cafofo, na Madeira, sem cartão de militante mas apoiado por seis partidos, é ou não «independente»?

Eu não diria melhor…

António Vilarigues

Read Full Post »

CDUCDUCDUCDUCDUCDU

«A SOMBRA QUE ESCURECE O HORIZONTE»

Aviso à navegação:

“No Sul, a sombra que escurece o horizonte tem um nome mais conhecido: Partido Comunista Português (PCP).”

Atendendo à terminologia empregue, fácil é deduzir a quem se dirige este aviso. O “arco da governação” sabe que tem aplicado medidas do arco-da-velha e que pode ver reduzida, muito justamente, a sua expressão eleitoral, o que, obviamente, poderá favorecer o PCP. «As sondagens revelam uma proximidade na intenção de voto que parece indiciar que o voto do protesto se faça manifestar no PCP». Os periódicos de direita (há jornais de esquerda?), acenando com o papão comunista, não se atrevem a difundir as receitas do outro fascismo propaladas logo após o 25 de Abril – a injecção atrás da orelha nos velhos e criancinhas de tenra idade como suculento pequeno-almoço. Hoje, os métodos de intoxicação não são tão primários, mas o objectivo mantem-se: amedrontar o eleitorado para o manter no redil do “arco da traição” e para que «não regressem à esfera comunista».

Note-se que os articulistas não referem a CDU. Todo o articulado neste escrito gira à volta de uma preocupação «Há sinais de que o PCP pode ganhar ou reforçar a vereação em bastiões dos partidos do arco do poder» ou «nalgumas câmaras, atrapalhar os resultados socialistas.» Estas advertências têm várias leituras, para as quais devemos estar atentos: a) Fazer soar o toque a reunir nas principais “barricadas” por eles acima definidas e, se necessário e em último recurso, esmorecer a campanha de um deles, desviando os votos para o que no arco da governação esteja melhor posicionado se bater com o PCP. A táctica já é velha e nalguns casos resultou. b) Colocar a fasquia o mais alto possível nos resultados do PCP, resultados por eles enunciados, para que, mesmo que este melhor significativamente as suas posições, não atingindo embora os resultados que publicitaram, fazer crer que o PCP saiu derrotado.

É evidente que o PCP-CDU se baterá em todas as frentes, sabendo que os arqueiros do PS/PSD/CDS têm em comum os mesmos objectivos e as flechas apontadas para o mesmo adversário político. O PCP-CDU sabe por experiência adquirida que, à boca das urnas, qualquer um deles pode pela sorrelfa dar indicação de voto num do tal arco que se encontre melhor colocado para tentar travar o PCP-CDU o que, com a dinâmica que leva, não se lhes tornará fácil.

Cid Simões

Read Full Post »

Na efervescência do 25 de Abril um dos meus vizinhos exibia ostensivamente um enorme poster da Vieira da Silva frente à porta de entrada da sua residência, exaltando o 25 de Abril. Saudava-me efusivamente e fui convidado algumas vezes para tomar café em sua casa onde os livros de autores progressistas se mostravam a despropósito. A contra-revolução foi-se instalando e após uma das suas guinadas mais violentas para a direita o poster deu lugar a uma natureza-morta. O hall de entrada moldou-se a um alinhamento clássico e os novos convivas apresentavam uma postura formal. Via-o sempre a correr e se nos cruzávamos lançava-me um “olá” apressado e displicente. Não muito tempo depois todas as manhãs uma viatura do Estado com motorista fardado vinha buscar sua excelência, o senhor engenheiro. Deixei de o ver quando foi ocupar um alto cargo numa organização bancária algures em África.

Um caso que nada tem de original. Quantos mais casos, cada um de nós, não terá para contar!… O senhor engenheiro havia aderido ao PS, covil de arrivistas e contra-revolucionários.

Os tempos são outros e pouco Seguros para os boys dos partidos das alternâncias. A luta para manter ou conquistar um “tacho” é cada vez mais renhida, por isso, os gurus andam aturdidos, e porque individualistas, encontram-se tresmalhados não vislumbrando qual o redil que futuramente os poderá albergar. Dispondo de bom pasto a manada proliferou acotovelando-se em espaços partidários cada vez mais exíguos. E, qualquer que seja o espectro partidário no poder, afundar-se-ão com o batelão dos favores, salvando-se os mais matreiros.

As possíveis eleições antecipadas espalham a intranquilidade, enevoado o futuro politico-partidário dessa classe rapace, não se vislumbrando que mestre-sala irá repartir o bolo após os resultados se eleições houverem. E porque, como deixou explicito o “democrata” Winston Churchill de que “os fins justificam os meios”, os candidatos à rapadura do tacho não deixarão de utilizar todos os meios dos menos escrupulosos aos mais indignos para satisfazer a gula que se apresenta de expressão bulímica, epidémica ou congénita. A fauna colada ao poder afundar-se-à com o batelão dos favores.

Os gurus representam uma ampla mancha flutuante disponível e servil extremamente frágil e vulnerável e, ao mesmo tempo, moldável a qualquer situação por mais ambígua ou pouco recomendável a gente com vergonha.

Estes tempos conturbados vão-lhes exigir as mais sofisticadas acrobacias de baixeza, dolorosos golpes de rins, o recurso a indumentárias recicladas e movimentações lentas mas seguras próprias aos experimentados camaleões. Olhar de perspectiva de grande amplitude, movimentos subtis, mudando de aparência ou opiniões, de acordo com as circunstâncias em função de interesses e conveniências pessoais.

Há que repensar tudo, alargar o leque de contactos; fazer-se encontrado, sugerir apoios, evitando comprometer-se abertamente para deixar o espaço indispensável às mudanças de última hora. Estes tempos estão-lhes a exigir um trabalho intenso, está em jogo o futuro próximo, indispensável para garantir a satisfação de encargos assumidos e um estilo de vida dificilmente conseguido de outro modo.

Exercitar as genuflexões, os salamaleques, os sorrisos-esgar e o não menos nojento lamber de botas.

Cid Simões

Read Full Post »

«O País continua mergulhado numa crise profunda. A dívida pública interna aumentou para um nível astronómico. A dívida externa é a maior do mundo. O défice da balança comercial é colossal. Os EUA são hoje um estado parasita que consome muito mais do que produz e mantém a hegemonia mundial em consequência do seu enorme poderio militar. A política financeira de Obama, concebida para favorecer as grandes transnacionais e a banca, contribuiu para agravar o desemprego e manteve na miséria dezenas de milhões de famílias

«The significance of the re-election of the first African-American president should not be lost as we move into the post-election landscape. It says a lot about the desire of a huge section of the Black, white and Latino/a masses, both the workers and some in the middle class, and especially the youth, to work together to solve the dire and mounting problems that face them: layoffs, low wages, crushing debts, lack of health care, growing climate disasters, and — especially for the oppressed Black, Latino/a and Native communities — unbridled police terror against the poor.»

«O sistema político faz a sua parte, impedindo na prática a participação de outras forças políticas que não os dois partidos do sistema na gestão dos destinos dos EUA. Mas não é apenas o sistema político e eleitoral que garante a permanência das «duas cabeças» de um mesmo poder na Casa Branca. O financiamento das campanhas eleitorais tem aqui um papel fundamental. Nestas eleições os dois partidos juntos terão gasto nada mais nada menos do que seis mil milhões de dólares. Uma soma astronómica que demonstrando na prática quem está por detrás da «democracia» norte-americana funciona também como «filtro decantador» relativamente a quaisquer eventuais alternativas políticas

António Vilarigues

Read Full Post »

Desenho de Fernando Campos (o sítio dos desenhos)

São criminosos todos os que berrando “democracia” e tendo à sua disposição os mídia, publicitam, veneram e elegem os robôs que nos oprimem.

São criminosos os que, nas campanhas eleitorais, prometem o bem-estar ao povo, e que, depois de eleitos, não só não cumprem como procedem de modo totalmente contrário às promessas propaladas.

São criminosos os que sendo eleitos em grande parte por assalariados governam em benefício dos que os exploram.

São criminosos os que alienam o património pertença do povo que o adquiriu com os impostos fruto do seu labor.

São criminosos os que hoje declaram que é no mar que está grande parte da nossa riqueza, e ontem pagaram para que se abatesse a nossa frota pesqueira.

São criminosos os que destruíram a industria naval de alta tecnologia e de significado relevante para a nossa economia, continuando a destruir o pouco que resta e, nos esbulharam mil milhões de euros para adquirir submarinos. Aquisição agravada pela corrupção em que mergulhou o negócio.

São criminosos os que pagaram para manter as terras em pousio tornando-nos cada vez mais dependentes de bens essenciais à nossa sobrevivência.

São criminosos por terem destruído sectores fundamentais do nosso complexo industrial, lançando no desemprego técnicos altamente qualificados, que dificilmente tornaremos a formar, quando deles necessitarmos.

São criminosos por impelirem à emigração os nossos jovens, muitos com formação superior, obrigados a procurar o seu futuro noutros países. Jovens, que desde a gestação à formação académica nos ficaram por muitos milhares de euros, e que de mão beijada, vão enriquecer outras nações.

São criminosos por ficarmos sem o controlo económico e político, deixando o Estado regido pela banca que nos faz rodar em função dos seus interesses. Para continuar o esbulho, os novos bárbaros acabados de arregimentar, continuam a “diminuir a presença do Estado na economia – deixar a economia para os privados”.

São criminosos por emperrarem o sistema judicial, tornando-o ineficaz, deixando os criminosos de mãos livres, nomeadamente os designados por “colarinho branco”, impedindo-nos de viver num ‘Estado de Direito’.

São criminosos por continuarem a destruir o SNS entregando ao privado o mais abjecto dos negócios; o negócio da saúde. Cumprindo o enunciado de uma ex-ministra da Saúde de que “quem quer saúde pague-a”.

São criminosos porque nos seus actos manifestam frieza e insensibilidade, face ao sofrimento e sacrifícios que impõem, só possível a alienados ou perversos.

São criminosos os que com eles pactuam, admitindo ou fingindo ignorar a crueldade dos seus actos.

São criminosos os que legislam, votam e aplicam leis contrárias à condição humana.

São criminosos porque nos entregaram às mãos dos banksters a quem servem e reverenciam.

Quando forem julgados mil razões há para os incriminar.

Cid Simões

Read Full Post »

«(…) frisou Rui Rio, contestando que os presidentes de câmara com maioria relativas tenham de andar “permanentemente em negociações” com a oposição “para resolver coisas de lana-caprina».

Com esta frase o futuro ex-autarca pretende manifestar a sua profunda preocupação quanto à garantia de governabilidade das câmaras por parte da força política que elegeu o presidente.

E fá-lo como se essa fosse uma situação recorrente em Portugal e um excelso problema, quiçá o principal, das autarquias do País.

Nada mais falso!!!

Das últimas eleições autárquicas em 308 concelhos do Continente, Açores e Madeira resultaram 280 maiorias absolutas (90,9%!!!) e 28 relativas (9,1%).

Logo, defende o senhor, e mais o PS e o PSD, há que alterar a Lei.

E um pano encharcado num sítio que eu cá sei?…

Desde o 25 de Abril de 1974 realizaram-se em Portugal por dez vezes eleições para as autarquias. Todas com o actual sistema eleitoral. Nestes anos foram eleitos 3.063 executivos municipais. Houve apenas necessidade de realizar eleições intercalares em 20 (0,7%!!!). Em metade destes executivos dissolvidos haviam maiorias absolutas.

A realidade é tramada…

António Vilarigues

Read Full Post »

Older Posts »